Tag Archives: bloodypop

listas…

28 dez

Ouié. Ainda no clima Rob Fleming =p

Pois é. Todo mundo falando dos discos da década, dos melhores de 2009, das promessas de 2010 e assim vai…

Eu decidi que não faria nada do tipo para o Subtropicália. Participei das listas do Scream & Yell, TramaVirtual e BloodyPop (ainda não publicada)… mas esqueci que não entrei em nenhuma eleição dos melhores discos internacionais de 2009. Vai por aqui mesmo. Antes, vou publicar minhas listas com os links para os resultados finais de cada eleição. Será bem difícil justificar as escolhas, mas o campo de comentários está ai para isso. Hey hou?

(mais uma vez, minha gente. São minhas listas enviadas para os sites! Não é o resultado final.)


Melhores da década (2000 a 2009) – para o Scream & Yell

DISCOS NACIONAIS

01. Mombojó – “Nadadenovo” (2004)
02. Curumin – “Japan Pop Show” (2008)
03. Hurtmold – “Hurtmold” (2007)
04. Guizado – “Punx” (2008)
05. Instituto – “Coleção Nacional” (2002)
06. ruído/mm – “A Praia” (2008)
07. Móveis Coloniais de Acajú – “Idem” (2005)
08. Otto – “Condom Black” (2001)
09. Cidadão Instigado – “E o Método Tufo de Experiência” (2005)
10. Céu – “CéU” (2007)

(o “Bloco do Eu Sozinho” ficou entre os 20 melhores =)

DISCOS INTERNACIONAIS

01. Radiohead – “In Rainbows” (2007)
02. TV On The Radio – “Desperate Youth, Blood Thirsty Babes” (2004)
03. The Strokes – “Is This It” (2001)
04. MGMT – “Oracular Spectacular” (2008)
05. Amy Winehouse – “Back To Black” (2006)
06. Animal Collective – “Merriweather Post Pavilion” (2009)
07. The Rapture – “Echoes” (2003)
08. The Go! Team – “Thunder, Lightning, Strike” (2004)
09. Yeah Yeah Yeahs – “Fever To Tell” (2003)
10. Arctic Monkeys – “Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not” (2006)

O resultado final está aqui. Esqueça os top tops gringos. Como sempre o Scream & Yell mantém a variedade e democracia nas listas. Foram 68 participantes (jornalistas, músicos, produtores, personalidades, etc) e tem de tudo ali. Vale a pena dar uma passeada pelas listas individuais… e se você não gostou do resultado final, o Marcelo Costa (editor do S&Y) pode te explicar melhor.

Melhores discos nacionais de 2009 – para a TramaVirtual

01. Otto – “Certa manhã acordei de sonhos intranquilos”
02. Céu – “Vagarosa”
03. Cassim & Barbária – “Cassim & Barbária” (EP)
04. Cidadão Instigado – “UHUU”
05. Banda Gentileza – “Banda Gentileza”
06. + 2 – “Imã”
07. Numismata – “Chorume”
08. Stela Campos – “Mustang Bar”
09. Erasmo Carlos – “Rock’n Roll”
10. Mallu Magalhães – “Mallu Magalhães”

… e o resultado final. Achei bem bacana, mesmo não tendo escutado alguns discos que entraram nos 10 +. Legal que eles também publicaram uma lista interna junto com a dos 20 e poucos participantes… A análise confere com esse momento que passamos na música brasileira (independente ou não). Quando falam que o “rock brasileiro precisa morrer”, apesar do radicalismo, não é uma afirmação de toda errada. Não é de hoje que acompanhamos trabalhos criativos e frescos de outras vertentes musicais. Samba, black music, regional, hip hop, eletrônico, ska, folk… mas o rock anda meio desanimado… mais do mesmo. Sinal dos tempos? Respeito e gosto dos trabalhos de muitas bandas por ai, mas com uma certa desconfiança. Vamos ver como eles serão assimilados em um futuro próximo.

Agora é esperar a lista da década feita pelo BloodyPop (a BR00, confere?). Foram 50 discos escolhidos… vai ser bonito de ver e relembrar.

Depois eu publico minha lista com os melhores discos internacionais de 2009. Mas você já deve ter uma idéia…

o mistério do radiohead

14 ago

Qualé Thom Yorke? Vem com a conversa de que o Radiohead está parado… e de repente vaza uma música inédita? O mundo acordou quinta-feira com essa notícia bizarra, publicada pelo Atease. Que ótimo! Quase uma semana depois que eles lançaram o single virtual de “Harry Patch (In Memory Of)”, e sem nenhum comunicado oficial da banda. Bem estranho.

O guitarrista Jonny Greenwood comentou em uma entrevista publicada hoje no jornal The Australian, que eles ainda estão meio perdidos em relação a forma como irão lançar os novos trabalhos. O long-play não funciona mais… talvez EPs e singles, e ai tudo começa a fazer sentido. Ainda mais se lembrarmos que o “In Rainbows” foi anunciado dez dias antes do lançamento… com aquela história da venda on-line e a distribuição inédita na história da música. Eles são especialistas em surpresas… e ainda não nos acostumamos com isso.

Essa história também bate com as notícias publicadas em maio, sobre o início das gravações de um possível disco novo, junto com Nigel Godrich. Bom, no final do mês o Radiohead se apresenta em Reading e Leeds Festival, até lá deve sair alguma posição oficial da banda. Enquanto isso, continua por aqui e vai até o Bloody Pop, onde tem toda uma teoria comprovada sobre as várias possibilidades em torno de “These Are My Twisted Words”.

MP3 de “These Are My Twisted Words”… aqui.