Tag Archives: miles davis

miles e betty (e jimi?)

22 set

Aliás… sobre a possível parceria entre Miles Davis e Jimi Hendrix, esbarrei com esse artigo do The Guardian publicado no começo do mês. Fala dos trabalhos de Betty Davis (talvez, a esposa mais importante de Miles), sua influência no início da fase fusion do músico e no nascimento do clássico “Bitches Brew”… além das suspeitas de um possível caso amoroso entre Betty e… Jimi Hendrix.

The subsequent They Say I’m Different and Nasty Gal likewise presented her as a proud, predatory woman beholden to no man with cuts including “If I’m in Luck I Might Get Picked Up”, “He Was a Big Freak” and “Nasty Gal”, the last declaring: “You dragged my name in the mud… but I used to leave you hanging in bed by your fingernails.” There has been a widespread assumption that Betty’s songs referred to her ex-husband (or to Hendrix) but she claims she was merely “exercising my creativity”.

Anúncios

miles davis & john lee hooker

22 set

Não preciso falar mais nada… parceria de Miles Davis e John Lee Hooker em 1990 (acompanhados por Taj Mahal e Roy Rogers). ponto.

é a trilha do filme “The Hot Spot” dirigido por Dennis Hopper (saiu aqui no Brasil como “The Hot Spot – um local muito quente”… pfff). Faz alguns anos que eu baixei essa trilha e demorei para assimilar o som. Achei estranho… não curto muito essa última fase do Miles (mais elétrica e viajada), mas é um dueto que não pode ser ignorado. Ouça muito… vale a pena.

E pensar que poderia ter acontecido uma parceria entre Miles Davis e Jimi Hendrix…

“Sketches of Sao Paolo” (punx e o jazz)

3 dez

foto de Fabio Ahmad

Guizado é mais um sinal dos tempos. O projeto paulistano encabeçado por Guilherme Mendonça já entrou para o ranking de melhores do ano com o lançamento do disco “Punx”. O motivo? Bom, só em uma primeira escutada lembra a ousadia do álbum “Bitches Brew”, de Miles Davis, com a sujeira pós-moderna do duo francês Justice. Mas como eu disse, isso em uma primeira escutada. 

Eu sempre reclamei sobre a tal vanguarda do jazz. Esse bendito gênero que tem a capacidade de conviver com diferentes períodos ao mesmo tempo em um ciclo atemporal. Diálogos entre presente, passado e futuro, com novas produções que passeiam pelo swing, bebop, free, cool, fusion e eletrônico, sendo lançadas todas as semanas. Para ouvir isso eu prefiro continuar com os clássicos. Sem nenhum ressentimento. Só Miles Davis produziu material para uma vida inteira de descobertas musicais. Duke Ellington, Mingus, Coltrane, Monk, Piazzolla, Jobim e alguns outros ilustres também já são mais do que suficientes para outras vidas. Qual o motivo para eu e você nos desgastarmos com novidades que rascunham mais do mesmo? E o gênero eletrônico tem que tomar cuidado… já está caindo em um lugar comum que ofusca seu brilho inicial dado nos últimos sopros de Miles (de novo ele).

Porém, novas frentes jazzísticas que merecem atenção surgem em Quioto, Berlim, Chicago (material para outras conversas) e São Paulo. Ah, São Paulo… talvez a grande inspiração para o Guizado. Mas será que “Punx” é um disco de jazz? Uma produção que aponta uma nova etapa do que pode ser feito em um dos principais estilos musicais, surgidos no início do século passado e responsável por tudo o que escutamos hoje? Tudo mesmo. Perguntas e mais perguntas que só tornam o trabalho de Guizado mais intrigante.

“… Guizado is not jazz” é a resposta para uma das perguntas que está presente em um texto inicial de sua página do Myspace. De fato, ele não é… mas ao mesmo tempo é. Não carrega nenhuma convenção do estilo… mas o espírito esta lá, capaz de conviver com uma babilônia sonora… mas não “organizar”. Os sons surgem naturalmente. A trangressão, o uso dos instrumentos e sintetizadores a favor da música, longe de virtuosismos punhetais e egoísmos típicos de um frontman qualquer que sofre de “paulemolência” (como diria Lobão). Mendonça, teoricamente, é o principal figura dessa história e em alguns momentos só entra para dar uma pincelada nas cores da música. Isso já é jazzy o suficiente.

Ele também esta longe da figura estereotipada do jazzista. Nada de ternos alinhados ou roupas hippies, chapéu e discretos óculos escuros, como ele mesmo assume em uma entrevista dada para a +Soma, que pode ser vista aqui. Entra em cena a calça larga e o boné típico do hip hop. Assim como em suas músicas. Junto com o rock (e o post-rock), sons latinos, africanos, psicodelia e batidas eletrônicas. Cai Duke Ellington como despertador musical e entra Jimi Hendrix. Kerouac flutua com suas idéias. E São Paulo se ouve ali. O noir esfumaçado é substituído pelo graffiti colorido. Isso tudo você pode ouvir em suas declarações lá no vídeo da +Soma (de novo, aqui).

Por isso Guizado é um sinal dos tempos. Capaz de assimilar toda uma herança musical e mais do que diversificada do século XX, com ecos de uma vanguarda paulistana e muita personalidade. Ele conseguiu resumir o (bom) som da capital paulista em um disco. Lá você pode identificar o rigor distorcido do Hurtmold, junto com melodias arrastadas do Cidadão Instigado; a atitude do Instituto e a sagacidade do Curumim. E garoa. Isso também acontece porque ele chega acompanhado por músicos integrantes das bandas citadas. Curumim é o responsável pela bateria, dividida com M. Takara durante as gravações. Ainda conta com o baixo de Ryan Batista e Regis Damasceno na guitarra – ambos do Cidadão Instigado – o acompanhando nos shows.

Trilha para um passeio do Blade Runner pela Rua Augusta enquanto policiais sacam as “primas” que passam em frente ao Ibotirama, e ouvem Fela Kuti ao lado de uma mesa cheia de meninas tatuadas. O caos e a solidão em clima futurista de festa e batuque. “Punx” é pós-moderno pacas (e isso está longe de ser uma observação cabeçuda). Um bê-a-bá para jovens e veteranos em campos experimentais.

A faixa “Rinkisha” mais entrevista no Tramavirtual.

“gameboy”!

 

(alguém sabe de quem é o crédito da foto que abriu o texto? o denis, inmwt, descobriu!)